Please use this identifier to cite or link to this item: http://repository.ucc.edu.co/handle/ucc/2841
Title: Da Retórica do Desenvolvimento Sustentável à Opção pela (In)Sustentabilidade
Da Retórica do Desenvolvimento Sustentável à Opção pela (In)Sustentabilidade
Author: Guimarães, Roberto P.
Keywords: agenda internacional; ecopolítica; ética; meio ambiente e desenvolvimento; sustentabilidade.
agenda internacional; ecopolítica; ética; meio ambiente e desenvolvimento; sustentabilidade.
Description: Objetivo: Analisar criticamente o discurso do Desenvolvimento Sustentável desde que tornou-se hegemônico nos pronunciamentos políticos e privados a partir da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, celebrada no Rio de Janeiro ema 1992, aparecendo uma perda de significado prático fora da retórica e que converte o discurso, inicialmente transformador, em uma proposta conformista de introdução de mudanças cosméticas no paradigma ainda vigente de desenvolvimento. Descrição: identifica o processo internacional, inaugurado na Conferência de Estocolmo em 1972 e que deu origem ao conceito de sustentabilidade e sua aplicação ao desenvolvimento para, em seguida, focalizar o tratamento dado aos desafios do Desenvolvimento Sustentável na agenda de negociações internacionais intuito de destacar a crescente perda de capacidade transformadora que as propostas originais. Ponto de Vista:  A pesquisa permite sugerir que os discursos da Sustentabilidade e do Desenvolvimento Sustentável se resumem, hoje, a um conjunto de artifícios de retórica política e de marketing empresarial que revelam o escasso compromisso dos atores com as mudanças indispensáveis para transformar a organização da sociedade e da economia em novos padrões de relacionamento entre Sociedade e Natureza. Sugere-se que é possível operacionalizar os aspectos mais importantes do processo de “desconstrução” do Desenvolvimento Sustentável. Conclusão: A realidade atual indica, junto com a generalização retórica do Desenvolvimento Sustentável, que supõe outorgar prioridade ao bem estar social e a integridade dos ecossistemas no longo prazo, as opções reais feitas por governos, empresas e a maioria dos consumidores apontam uma clara opção por práticas insustentáveis para as gerações futuras. Do Desenvolvimento Sustentável, sugerir formas atuação que permitam dar lugar, efetivamente, ao surgimento de uma Cidadania Ambiental como suporte social e político para a incorporação da sustentabilidade no cotidiano de indivíduos, comunidades, empresas e Estados.
Objetivo: Analisar criticamente o discurso do Desenvolvimento Sustentável desde que tornou-se hegemônico nos pronunciamentos políticos e privados a partir da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, celebrada no Rio de Janeiro ema 1992, aparecendo uma perda de significado prático fora da retórica e que converte o discurso, inicialmente transformador, em uma proposta conformista de introdução de mudanças cosméticas no paradigma ainda vigente de desenvolvimento. Descrição: identifica o processo internacional, inaugurado na Conferência de Estocolmo em 1972 e que deu origem ao conceito de sustentabilidade e sua aplicação ao desenvolvimento para, em seguida, focalizar o tratamento dado aos desafios do Desenvolvimento Sustentável na agenda de negociações internacionais intuito de destacar a crescente perda de capacidade transformadora que as propostas originais. Ponto de Vista:  A pesquisa permite sugerir que os discursos da Sustentabilidade e do Desenvolvimento Sustentável se resumem, hoje, a um conjunto de artifícios de retórica política e de marketing empresarial que revelam o escasso compromisso dos atores com as mudanças indispensáveis para transformar a organização da sociedade e da economia em novos padrões de relacionamento entre Sociedade e Natureza. Sugere-se que é possível operacionalizar os aspectos mais importantes do processo de “desconstrução” do Desenvolvimento Sustentável. Conclusão: A realidade atual indica, junto com a generalização retórica do Desenvolvimento Sustentável, que supõe outorgar prioridade ao bem estar social e a integridade dos ecossistemas no longo prazo, as opções reais feitas por governos, empresas e a maioria dos consumidores apontam uma clara opção por práticas insustentáveis para as gerações futuras. Do Desenvolvimento Sustentável, sugerir formas atuação que permitam dar lugar, efetivamente, ao surgimento de uma Cidadania Ambiental como suporte social e político para a incorporação da sustentabilidade no cotidiano de indivíduos, comunidades, empresas e Estados.
Publisher: Fondo Editorial, Universidad Cooperativa de Colombia
Appears in Collections:Revista Memorias

Files in This Item:
There are no files associated with this item.


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.